Receba nossas atualizações por e-mail:

2020: O que de fato irá mudar nas redes de franchising


Por  Daniel Bernard




O ano de 2020 ficará marcado pela COVID 19, mas também por transformações estruturais no setor de franchising, a partir da Lei 13966/2019, vigente desde o dia 27 de março. Esta Lei manteve basicamente o previsto na Lei 8955/1994, que vigorou por 25 anos, e acrescentou alguns detalhamentos significativos com base nas boas e nas melhores práticas do mercado. Ficaram melhor definidas questões como relações de consumo, possibilidade de locação de imóveis e sublocação aos franqueados, previsão da franquia público-social e considerações específicas no caso de franquias internacionais. Na Lei antiga se observava a presença de 15 itens na Circular, mas com o advento da nova Lei a COF terá um total de 23 itens, que caso não sejam atendidos motivará a anulabilidade ou nulidade do contrato.


A Circular de Oferta de Franquia (COF), o Pré-contrato de Franquia e o Contrato de Franquia seguem como os instrumentos típicos dessa relação empresarial, a parte mais visível ou a “ponta do iceberg”, e devem ser redigidos depois que o modelo de negócios e a estrutura estiverem definidas, para que não se crie direitos e obrigações desprovidos de estrutura de execução e controle. Ou seja, este processo requer uma parametrização sob medida e deve ser e continuar sendo a última etapa de uma formatação, e jamais a primeira – ou única!


Mudanças no mercado consumidor

O modelo de negócios a ser franqueado deve refletir o ambiente onde a atividade irá operar. E neste aspecto sim haverá ajustes sobretudo em função das mudanças estruturais nos hábitos e comportamento do consumidor em decorrência do período de isolamento social, quarentena e redução na renda, ocorrido a partir do primeiro semestre:


· O aumento no consumo via delivery e e-commerce e ações de marketing digital devem permanecer em alta. Estudos de geomarketing devem focar não somente no ponto comercial e sim no potencial de mercado no entorno.


· Viveremos numa sociedade que reduzirá os contatos pessoais até que surja uma vacina confiável para o coronavirus, que é transmitido pelo ar. Academias de ginástica, danceterias, casas de shows e locais com aglomerações estão proibidos de operar.


· O setor de alimentação em casa e vendas em super e hipermercados seguirão fortes, em que pese alguns pequenos mercados terem dificuldade em se manter economicamente viáveis.