Receba nossas atualizações por e-mail:

Modernização na regra de franquias é oportunidade para manter transparência no setor

Adequações redacionais vão excluir termos desnecessários em muitas ocasiões e potencializar a possibilidade de expansão do setor.


Por Lucien Newton




O crescimento atual do mercado de franquias é bom em diversos aspectos. Se por um lado as franqueadoras veem suas marcas tornando-se referência e cada vez obtendo expansão territorial, por outro os franqueados, investidores e empresários de diversas formas percebem a geração de renda, emprego e demais oportunidades também crescendo consideravelmente.


A lei de franquias no Brasil foi sancionada em 1994, a partir de uma necessidade desse mercado que se expandia muito e ainda não era amparado legalmente. Seu objetivo era resguardar tanto a marca quanto quem investe (franqueado). Mesmo sendo uma legislação recente, ela não acompanhou todas as atualizações do mercado e há alguns anos que sua modernização já vem sendo questionada pelos empresários do setor.


Acompanhando esse questionamento, uma nova lei vem sendo discutida no meio.


A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou, em 14 de maio, o projeto de lei da Câmara (PLC) 219/2015, idealizado pela deputada Kátia Abreu. O texto segue para análise no plenário e esta atitude surge como uma excelente oportunidade de melhorar o marco legal das franquias no Brasil. O PLC 219/2015 revoga a atual lei sobre contratos de franquia empresarial (Lei 8.955, de 1994), substituindo-a por novas regras.


Agora, com muito mais informações e transparência, todos os processos burocráticos, regras, e demais necessidades ficarão expostas com mais facilidade para ambos os lados.

Transparência


Uma das principais vantagens que a nova lei apresenta refere-se à relação entre franqueadora e fraqueado. Agora, com muito mais informações e transparência, todos os processos burocráticos, regras, e demais necessidades ficarão expostas com mais facilidade para ambos os lados. Já que devem constar do novo documento exigido: descrição detalhada da franquia, descrição geral do negócio e das atividades que serão desempenhadas pelo franqueado; remuneração periódica pelo uso do sistema, da marca e de outros direitos de propriedade intelectual do franqueador; e indicação do que é oferecido ao franqueado pelo franqueador, como suporte, incorporação de inovações tecnológicas às franquias, treinamento do franqueado e de seus funcionários.


Segurança jurídica e possibilidade de expansão do setor


As adequações redacionais vão excluir termos desnecessários em muitas ocasiões e potencializar a possibilidade de expansão do setor com uma maior liberdade contratual, desde que as alternativas estejam previstas na COF. O projeto também autoriza algumas entidades e empresas públicas a adotar o sistema de franquia, no que couber ao processo de licitação.


Para finalizar, outros aspectos também serão atualizados trazendo benefícios para o processo de internacionalização, autonomia em certos pontos para o fraqueado e processos de propriedade intelectual. As melhorias propostas aumentam as expectativas dos empresários brasileiros para os resultados do Franchising.


Este artigo foi originalmente divulgado pelo site Loja de Franquia

13 visualizações0 comentário